21 setembro, 2008

Educação se aprende em casa

Educação se aprende em casa

Ariana Pereira

Apesar das inúmeras opções de métodos e instituições de ensino, pais em cenário nacional e internacional têm adotado a opção de aposentar a sala de aula e educar os filhos em suas próprias casas. Eles assumem a completa responsabilidade pelo conteúdo escolar e preparo das crianças e adolescentes até que tenham idade para cursar uma faculdade. A escolha pode, no entanto, ser polêmica no Brasil, uma vez que a Lei de Diretrizes e Bases estabelece que é “dever ‘dos pais ou responsáveis’ efetuar a matrícula dos menores a partir dos seis anos de idade, no ensino fundamental.” O casal mineiro Cleber Nunes, 44 anos, e Bernadeth Nunes, 40 anos, enfrentam a Justiça para ter o direito de educar os três filhos, Davi, Jônatas e Ana na própria residência por meio do processo chamado homeschooling. Adotar o método, porém, requer muito preparo e compromisso dos pais. No Brasil, não é reconhecido, por isso muitos que optam por essa maneira de educação o fazem no anonimato.

“A educação domiciliar é tão antiga quanto a própria família, pois em casa as crianças não só recebiam alimentação, atenção e proteção, mas também educação. Incontável número de pessoas aprendeu a ler e escrever dessa forma. A educação em casa produziu homens como Leonardo da Vinci, Wolfgang Amadeus Mozart, Albert Einstein, Blaise Pascal, Agatha Christie, C.S. Lewis. Além desses, dez presidentes dos Estados Unidos receberam educação escolar em casa”, afirma o escritor, autor do blog www.escolaemcasa.blogspot.com e defensor da prática há quase 20 anos, Júlio Severo. A consultora de ensino e especialista em Tecnologias Interativas Aplicadas à Educação, Sueli Dib, afirma que, de acordo com as últimas pesquisas da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), a educação domiciliar atende cerca de dois milhões de crianças. “Muitos pais adeptos do homeschooling, movimento que reúne um milhão de adeptos só nos Estados Unidos, optam por educar os próprios filhos em virtude do baixo nível educacional, por dificuldades de deslocamento, falta de vagas em boas escolas, quantidade excessiva de alunos em sala de aula, violência e uso de drogas, desgaste dos professores”, diz Sueli.

Incentivo

Segundo Severo, a influência de países desenvolvidos, que estimulam e protegem esse processo educacional em casa, tem feito com que a opção se torne cada vez mais presente, trazendo o assunto ao foco das discussões a respeito da educação no Brasil. Para o defensor do método, a única desvantagem dos pais que escolhem tal maneira para educar os filhos é não terem retorno ou apoio dos órgãos governamentais. “Embora os pais paguem impostos, não recebem um retorno se escolhem educar os filhos em casa. Na questão da educação, o governo só devolve os impostos, na forma de investimentos, para as escolas institucionais. A fim de solucionar essa desvantagem e injustiça, o governo tem a obrigação de dar isenção de impostos a casais que tomam sobre si a responsabilidade de educar em casa.” Severo ressalta que a preocupação com o baixo rendimento e produtividade das crianças nas instituições escolares é um dos principais fatores que levam os pais e responsáveis a escolherem a educação domiciliar. Ele afirma que, em famílias cristãs, essa opção também tem a ver com as inquietações que dizem respeito à segurança física, moral e espiritual dos filhos. “Não é preciso ser cristão, no entanto, para querer o bem-estar dos filhos.”

Sociabilidade

Para os adeptos do ensino em casa, freqüentar a escola não significa comparecer todos os dias, mas estar matriculado e ao alcance do Estado para qualquer averiguação, para fazer provas ou entregar trabalhos, segundo Sueli. “Alegam que os filhos não ficam prejudicados pela ausência da sala de aula e o convívio social é compensado por atividades extra-casa, como passeios, aprendizado de idiomas e outros. Já aqueles que são contra essa forma de educar os filhos argumentam que provoca o isolamento social, com sérios prejuízos psicológicos”, completa. Quanto às relações sociais que poderiam ser prejudicadas com a falta de freqüência escolar, Severo contesta ao dizer que a vida social da criança e do adolescente não deve se resumir às quatro paredes de uma instituição escolar. Além disso, continua o escritor, os pais, quando têm condições psicológicas, morais e espirituais, são sempre um referencial muito melhor do que professores ou colegas de classe. E quando chegar a hora de enfrentar as salas de aulas e o convívio com outros estudantes no ensino superior, o escritor é categórico: “Até lá estarão mais bem preparados.”

Auto-estima

A consultora de ensino Sueli conta que o Instituto de Educação da Universidade de Londres convidou o pesquisador Alan Thomas para a análise de cerca de cem famílias britânicas e australianas. Thomas concluiu que as crianças ensinadas em casa “têm uma grande confiança em sua capacidade de aprender, elevada auto-estima e maturidade social que com freqüência falta às crianças escolarizadas”. E continua: “não tiveram a experiência do fracasso. Quando não compreendem alguma coisa, o problema é resolvido de imediato”. “O método tradicional é centrado na figura do professor, encarregado de transmitir o conhecimento, o aluno recebe e assimila passivamente o que é transmitido e é avaliado de acordo com a quantidade de informação absorvida. No método da educação domiciliar, os pais educam e instruem os próprios filhos, de acordo com os princípios e fundamentos da moral que praticam”, diferencia Sueli.

Os valores pessoais

A história do casal mineiro Cleber Nunes, 44 anos, e Bernadeth Nunes, 40 anos, ganhou destaque nacional quando foram denunciados à Justiça depois de optarem, há mais de dois anos, por responsabilizar-se integralmente pela educação dos filhos, retirando-os de instituições de ensino. Pais de três filhos, Davi, Jônatas e Ana tiraram os garotos da escola depois que eles terminaram a 5ª e a 6ª séries do ensino fundamental. Desde então, o casal diminuiu as atividades próprias de cada um para ter mais tempo dedicado à educação dos filhos. O Ministério Público acusou Nunes e Bernadeth de abandono intelectual e determinou que os adolescentes passassem por uma avaliação para testar se foram privados de educação por meio da atitude dos pais.

Ainda que amplamente divulgada e incentivada nos Estados Unidos, a educação em casa não é bem vista pela legislação brasileira. “No Brasil, não há dados sobre famílias adeptas do homeschooling (educação domiciliar) sabe-se apenas que a maioria atua no anonimato por receio de algum tipo de represália do governo”, afirma a consultora de ensino e especialista em Tecnologias Interativas Aplicadas à Educação, Sueli Dib. A universidade norte-americana de Harvard, segundo Sueli, criou um departamento especial para atender crianças educadas por meio do método homeschooling. A consultora de ensino diz também que nos Estados Unidos o ensino em casa é visto de forma diferente, como um privilégio de pais em condições de dedicar o tempo a seus filhos, portanto os jovens são considerados responsáveis e hábeis para aprenderem sozinhos. Dessa forma, continua, foi criado o departamento na universidade para dar um suporte, pois, concluído o ensino médio, os adolescentes educados pelos próprios pais são bastante assediados por empresas de grande porte.

Para o escritor e mantenedor do site www.escolaemcasa.blogspot.com, Júlio Severo, em comparação com a educação contemporânea, o homeschooling tem duas vantagens principais: mais qualidade e o ensino de valores não abordados em sala de aula. “Já que o sistema escolar público é comprovadamente um fracasso, os pais podem se esforçar para dar aos filhos uma educação melhor em áreas deficientes nas escolas públicas. Além disso, ao passo que o sistema público de ensino deixa a criança perdida num mar de valores morais estranhos e prejudiciais, em casa os pais podem impor limites de segurança.” Enquanto no sistema público, para Severo, o governo impõe valores morais que estão em voga no senso comum, por meio do método de educação domiciliar os pais e responsáveis podem formar os filhos de acordo com a própria ética pessoal e modo de enxergar comportamentos contemporâneos, conferindo características próprias à personalidade das crianças e dos adolescentes.

Fonte: Diário da Região, São José do Rio Preto, 14 de setembro de 2008

Divulgação: www.juliosevero.com

2 comentários:

Ariany (Dhanna) disse...

E a pergunta que não quer calar:

Até quando os pais que decidem educar seus filhos em casa, terão que continuar no anonimato?

José Maria e Silva disse...

Caro Júlio Severo, excelente essa matéria. É uma pena que a grande imprensa não tenha a mesma disposição que Ariana Pereira, do Diário da Região, teve para fazer uma reportagem sem preconceito sobre o assunto.