15 janeiro, 2019

Os tentáculos da doutrinação ideológica de Olavo de Carvalho sobre 57 milhões de crianças e jovens nas escolas do Brasil


Os tentáculos da doutrinação ideológica de Olavo de Carvalho sobre 57 milhões de crianças e jovens nas escolas do Brasil

Julio Severo
Considerado uma espécie de Rasputin na família Bolsonaro, Olavo de Carvalho conseguiu que seus adeptos fossem nomeados para os cargos mais importantes do governo do Presidente Jair Bolsonaro. Enquanto o Pr. Silas Malafaia havia recomendado Guilherme Schelb para o Ministério da Educação (MEC), sua recomendação virou pó diante da influência de Carvalho, que indicou seu adepto Ricardo Vélez. Além desse olavete, dois outros olavetes, Carlos Nadalim e Murilo Resende, foram escolhidos respectivamente para a Secretaria Especial da Alfabetização e a direção da Avaliação da Educação Básica do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).
O fanatismo se apossou de tal forma do MEC que até apoiadores de Bolsonaro que não idolatram Carvalho foram, de acordo com o UOL, removidos de cargos de liderança do MEC. É a limpeza ideológica em prol do pensamento único do olavismo.
A doutrinação ideológica de Carvalho deve influenciar o MEC nos próximos quatro anos, desde a alfabetização até o ensino superior, cujo impacto fatalmente atingirá os cerca de 48,6 milhões de estudantes matriculados nas escolas da educação básica e sobre os pouco mais de 8,3 milhões de alunos do ensino superior (segundo o último Censo Escolar, de 2017).
A doutrinação ideológica dele abarca desde luta contra o marxismo até uma estranha luta contra o que ele chama de “mito,” “lenda” e “mentira” da Inquisição. A Inquisição e o Holocausto torturavam e matavam preferencialmente judeus, mas revisionistas amenizam seus crimes. Carvalho é o maior revisionista brasileiro da Inquisição, indo de encontro a um fato atestado pela vasta maioria dos historiadores judeus.
Se Carvalho visitasse Israel e proclamasse que a Inquisição é mentira, os judeus o veriam como um louco não diferente dos loucos que minimizam os crimes do Holocausto.
A Inquisição, que também matava evangélicos, chegou a torturar e matar muitos judeus no Brasil. Há até um Museu da Inquisição em Belo Horizonte que documenta os horrores da Inquisição.
Movidos por esforços de historiadores judeus e evangélicos, os Estados Unidos, onde Carvalho vive autoexilado como imigrante desde 2005, se tornou o país que mais investiu em campanhas de informação para combater a propaganda desinformatória de militantes da Inquisição.
Com um desinformante da Inquisição dominando o MEC, o que é que vai prevalecer agora? O ponto-de-vista americano, que é predominantemente anti-Inquisição? O ponto-de-vista das vítimas judias e evangélicas da Inquisição? Ou a doutrinação e analfabetismo moral e histórico dos revisionistas desinformantes, que é exatamente o grupo em que estão Carvalho e seus adeptos?
Você pode ler mais sobre a Inquisição no meu artigo: “Aborto, Inquisição e revisionismo na Enciclopédia Britânica.”
Ignorando a gravidade do assunto da Inquisição, Bolsonaro e seus filhos acreditam que a influência ideológica de Carvalho é necessária para destruir a influência ideológica de Paulo Freire (1921-1997) na educação brasileira. Mas poucos sabem que o famoso método Paulo Freire foi construído com o mesmo ingrediente básico que o método Olavo de Carvalho vem sendo construído: oportunismo às custas do evangélicos.
De acordo com a BBC de Londres: “A influência de Olavo na montagem do governo supera a da bancada evangélica, cujo eleitorado foi crucial na vitória de Bolsonaro, mas recebeu um único ministério (Mulher, Família e Direitos Humanos).” Imparcialmente, a BBC acabou reconhecendo que os evangélicos deram a vitória a Bolsonaro, que em retribuição e “gratidão” deu tudo para o astrólogo Olavo e seus adeptos. Isso se chama oportunismo.
Não diferente do oportunismo de Paulo Freire. De acordo com o Dr. David Gueiros Vieira, o Método Paulo Freire nada mais é do que uma cópia pirata pervertida do Método Laubach.
Em matéria no site do Escola Sem Partido intitulada “Método Paulo Freire ou Método Laubach?” Vieira explicou que o Método Laubach foi criado pelo missionário evangélico americano Frank Charles Laubach (1884–1970) para ajudar populações analfabetas do Terceiro Mundo a lerem a Bíblia.
Em 1915, Frank Laubach fora enviado por uma missão evangélica à ilha de Mindanao, nas Filipinas, que estava então sob o domínio americano — desde que os EUA derrotaram a Espanha numa guerra. A dominação católica espanhola deixara à população filipina uma herança de analfabetismo total e ódio aos americanos. Laubach usou seu método para ensinar os filipinos a ler a Bíblia.
Depois de 1915, o Método Laubach foi utilizado com grande sucesso em toda a Ásia e em várias partes da América Latina, durante quase todo o século XX.
Vieira disse:
No Brasil, este foi introduzido pelo próprio Laubach, em 1943, a pedido do governo brasileiro. Naquele ano, esse educador veio ao Brasil a fim de explicar sua metodologia, como já fizera em vários outros países latino-americanos.
Lembro-me bem dessa visita, pois, ainda que fosse muito jovem, cursando o terceiro ano ginasial, todos nós estudantes sabíamos que o analfabetismo no Brasil ainda beirava a casa dos 76% — o que muito nos envergonhava — e que este era o maior empecilho ao desenvolvimento do país.
A visita de Laubach a Pernambuco causou grande repercussão nos meios estudantis. Ele ministrou inúmeras palestras nas escolas e faculdades.
Houve também farta distribuição de cartilhas do Método Laubach, em espanhol, pois a versão portuguesa ainda não estava pronta. Nessa época, a revista Seleções do Readers Digest publicou um artigo sobre Laubach e seu método — muito lido e comentado por todos os brasileiros de então, que, em virtude da guerra, tinham aquela revista como único contato literário com o mundo exterior.
Na mesma época, subitamente, começaram a aparecer em Pernambuco cartilhas semelhantes às de Laubach, porém com teor filosófico totalmente diferente. As de Laubach, de cunho evangélico, davam ênfase à cidadania, à paz social, à ética pessoal, ao Cristianismo e à existência de Deus. As novas cartilhas, utilizando idêntica metodologia, davam ênfase à luta de classes, à propaganda da teoria marxista, ao ateísmo e a conscientização das massas à sua “condição de oprimidas”. O autor dessas outras cartilhas era Paulo Freire, que emprestou seu nome à essa “nova metodologia” — da utilização de retratos e palavras na alfabetização de adultos — como se a mesma fosse da sua autoria.
A verdade então é que a luta de um missionário evangélico americano para alfabetizar a população brasileira para o Evangelho foi pirateada e corrompida por Paulo Freire em prol da propaganda do marxismo. Isso se chama oportunismo.
Se foi péssimo o oportunismo de Paulo Freire às custas de um evangélico americano, o que poderia resultar do oportunismo de Olavo de Carvalho às custas da vitória que os evangélicos deram a Bolsonaro? Que tipo de educação a doutrinação ideológica dele poderia trazer para crianças?
Um bom jeito de avaliar a capacidade educativa dele é ver os frutos dessa educação na vida dos próprios filhos dele. Dois filhos dele são muçulmanos. Outra filha fora forçada, quando era menor de idade, a casar com um muçulmano numa mesquita. O próprio Carvalho recebeu prêmio da ditadura islâmica da Arábia Saudita por uma biografia de Maomé que ele escreveu.
O histórico de Carvalho é saturado de esoterismo, astrologia e islamismo esotérico. Mesmo hoje, ele continua com fortíssimas ligações esotéricas. Nenhum filósofo de renome dos EUA elogia e recomenda Carvalho, mas Wolfgang Smith, esotérico americano adepto do bruxo islâmico René Guénon, tem elogiado e recomendado Carvalho e vice-versa. Esotérico sempre elogia esotérico. Se tudo isso é confuso para o público, o que dizer de seus próprios filhos? Como eles poderiam ficar menos confusos?
Um dos filhos de Carvalho, num post de 12 de outubro de 2018, fez algo certo pelos motivos errados. Luiz Gonzaga de Carvalho Filho, autodenominado professor que dá aulas de astrologia e esoterismo, disse:
“Agora se você quer poder ter liberdade real para criar instituições culturais islâmicas independentes ou para fazer homeschooling islâmico para seus filhos e ter uma verdadeira independência cultural e religiosa em relação ao governo, vote em Bolsonaro.”
Eu votei em Bolsonaro, como milhões de evangélicos. Mas não votei nele para que seu governo fosse tomado de adeptos de um esotérico cujos filhos confusos vivem e pregam o islamismo e o esoterismo.
Os filhos muçulmanos de Carvalho e sua revisionismo louco da Inquisição não impediram que o Presidente Bolsonaro desse a ele um amplo poder de influência ideológica no MÈC nos próximos quatro anos. Dos Estados Unidos — de onde Carvalho não saiu nem para comparecer à posse de Bolsonaro —, o astrólogo indicou três nomes para o MEC, inclusive o ministro Ricardo Vélez. No discurso de posse, Vélez disse que sua gestão se inspirará em Carvalho, como se fosse novidade um olavete não fazer propaganda de Carvalho. Você pode ler mais sobre ele aqui: “Novo ministro da Educação: hostil ao socialismo e Trump, amistoso com Bolsonaro e Hillary.”
Não sem razão, Olavo de Carvalho diz que a esquerda exerce o controle do ensino brasileiro. Mas agora ele quer, com a cumplicidade de Bolsonaro e seus filhos, substituir esse controle ideológico por seu próprio controle ideológico, que foi tão desastroso na vida de seus próprios filhos, que se tornaram muçulmanos e astrólogos. É o Brasil trocando um buraco de doutrinação ideológica por outro buraco de doutrinação ideológica.
Coincidência ou não, Trump enfrentou o mesmo desafio que Bolsonaro está enfrentando. Havia um oportunista que queria encher o governo americano com oportunistas. Mas Trump acabou enxotando-o da Casa Branca. O nome do oportunista é Steve Bannon, adepto do bruxo islâmico René Guénon, o mesmo bruxo seguido e recomendado por Carvalho.
Coincidência ou não, Eduardo Bolsonaro vem se encontrando tanto com Bannon quanto com Carvalho. Se a família Bolsonaro imitasse Trump, evitaria os oportunistas, em vez de promovê-los, principalmente às custas dos evangélicos que elegeram Bolsonaro. Se até Trump conseguiu enxotar o adepto americano de Guénon, por que é que Bolsonaro prefere idolatrar o adepto brasileiro de Guénon?
Por vontade de socialistas, o oportunista Paulo Freire se tornou ídolo na educação brasileira. Agora, por vontade da família Bolsonaro, o astrólogo oportunista, que é o maior adepto e propagandista brasileiro de Guénon, se tornou ídolo na educação brasileira.
Havia um ídolo no governo de Nabucodonosor, e todos os ministros se prostravam a ele, mas Sadraque, Mesaque e Abednego não se prostraram, porque eles amavam mais a Deus do que os ídolos dos homens. Sadraque, Mesaque e Abednego jamais se prostrariam a nenhum ídolo do governo Lula ou do governo Bolsonaro.
Se a doutrinação ideológica de Carvalho trouxe confusão para seus próprios filhos, que se tornaram muçulmanos e astrólogos, poderia gerar miraculosamente conservadorismo através do MEC? O próprio Carvalho, que fala mais que a boca, disse:
“Já decidi: quem quer veja na política conservadora a finalidade e essência dos meus escritos é uma besta quadrada, um filho da puta e um bosta em toda a linha.”
Não fique surpreso, pois, se o MEC sob controle de olavetes que estão sob controle de Carvalho promover um suposto “conservadorismo” que no final gerará confusão para milhões de crianças. Esse “conservadorismo” não está centrado em Jesus Cristo e no Evangelho, mas num homem extremamente confuso e contraditório que tem uma boca que fede mais que latrina.
Numa coisa Laubach estava absolutamente certo: As pessoas precisam aprender a ler e escrever para conhecerem melhor a Bíblia e seu Autor. Só assim elas conseguirão se ver livres de doutrinações, analfabetismos e idolatrias ideológicas — de qualquer fonte e abismo de onde venham.
Com informações do jornal El País.
Leitura recomendada sobre governo Bolsonaro:
Leitura recomendada sobre o astrólogo Olavo de Carvalho:
Leitura recomendada sobre olavetes:

08 agosto, 2018

Chineses escolhem a educação escolar em casa, embora seja ilegal


Chineses escolhem a educação escolar em casa, embora seja ilegal

É ilegal, mas esses pais chineses dizem que querem tanto o melhor para seus filhos, que estão dispostos a lhes dar educação escolar em casa, se escondendo do governo conforme a necessidade.
A educação escolar em casa (homeschooling) tem crescido há anos nos Estados Unidos, onde há milhões, e há vários países na Europa onde ela está prosperando, embora autoridades governamentais não gostem muito dela.
Agora uma reportagem do jornal South China Morning Post detalhou a comunidade relativamente pequena — mas crescente — de adeptos do homeschooling lá.
A maioria dos pais chineses anseia por ter seus filhos em universidades e depois conseguir um emprego em finanças, medicina ou engenharia.
Contudo, Tsang Tsz-Kin, que é professor de dança, prefere ter seu filho, Ocean, 10, seguindo o que ele quer fazer.
“Pessoas que adoram fazer o seu trabalho não pensarão em trabalhar horas extras,” disse Tsang na reportagem.
Seu filho “assiste a performances online de pingshu todos os dias. Ele gosta de ler as estórias em voz alta com expressões faciais, movimentos das mãos e entonações vocais. Dava para ele ser um DJ quando crescer.”
As aulas incluem chinês, inglês, matemática e muito mais, com seu pai, bem como professores particulares e professores de artes.
A reportagem do South China Morning Post explicou: “Não há estatísticas oficiais sobre o número de pais que dão aos filhos educação escolar em casa na China, e os números extraoficiais variam muito. Os números mais recentes divulgados pelo Instituto de Pesquisa de Educação do Século 21, um think tank, estimaram que havia 6.000 crianças estudando em casa na China em 2016, em comparação a 2.000 em 2013. No entanto, a conta WeChat da China Home-schooling — uma aliança on-line de educadores e pais — tem mais de 23.000 membros.”
A reportagem observou que tem havido tanto interesse que o Ministério da Educação da China emitiu uma sugestão gentil recentemente de que “é proibido realizar educação escolar em casa para substituir a educação obrigatória…”
Mas a China é tão grande, e há tantas pessoas que quem está envolvido na educação escolar em casa simplesmente escolhe cuidar de sua própria vida.
“Cissy Ji, mãe de Ocean, de Qingdao, na província oriental de Shandong, diz que a hukou do Ocean — seu registro doméstico, que governa onde ele pode acessar os serviços públicos — está em sua cidade natal porque nasceu lá,” explicou a reportagem.
“Ele estudou jardim de infância em Qingdao e depois na escola primária [até terminar o primeiro semestre da Primária Três] em Shenzhen [uma cidade no sul da China, na fronteira com Hong Kong] depois que nos mudamos para lá. Embora seja contra a lei não enviar seus filhos para a escola na China, é difícil rastrear esses casos porque [as pessoas se movimentam pelo país],” disse Ji ao jornal.
Uma das razões que muitos pais educadores em casa citam é a “doutrinação entorpecente” das salas de aula do governo, segundo a reportagem.
Outros pais optam por financiar centros educacionais particulares para seus filhos. Um evento recente inclui uma estrutura de 3.000 metros quadrados com 80 professores e mais de 300 alunos.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Chinese choosing homeschooling, even though it's illegal
Leitura recomendada:
Uma nova Reforma para contra-atacar as grandes portas do inferno?

26 julho, 2018

A solução da educação escolar em casa: Esta é a razão trágica por que mais famílias estão permanecendo em casa


A solução da educação escolar em casa: Esta é a razão trágica por que mais famílias estão permanecendo em casa

Charlene Aaron
A educação escolar em casa em todas as partes dos Estados Unidos teve um enorme crescimento nos últimos 20 anos. Agora, uma tendência triste pode fazer com que os números aumentem ainda mais.
Os tiroteios em escolas tornaram-se muito comuns, com mais de 20 só em 2018.
Em 25 de maio, duas pessoas ficaram feridas em uma escola de ensino médio em Indiana. Na semana anterior, oito estudantes e dois professores foram mortos na Escola Secundária Santa Fe, no Texas.
Depois que 17 morreram no Dia dos Namorados na Escola Secundária Marjory Stoneman Douglas, na Flórida, milhares de jovens marcharam em Washington exigindo leis federais mais rigorosas de controle de armas.
Após cada tragédia, um debate acalorado surgiu sobre a melhor forma de proteger as escolas e os que estão dentro. Ainda não há resposta.
Os organizadores da Convenção de Educação Escolar em Casa da Virgínia dizem que, após os tiroteios nas escolas deste ano, eles estão ouvindo mais pais que estão considerando ensinar seus filhos em casa.
“Sempre que houve uma tragédia como os tiroteios nas escolas que todos vimos nos noticiários, recebemos muitos e muitos telefonemas, mais do que nunca,” disse Yvonne Bunn à CBN News. “Aliás, nos últimos anos, tivemos mais e mais pais nos ligando porque seus filhos estão sofrendo de ansiedade porque têm medo de ir à escola.”
Por essa razão, Latoya Daniel diz que já decidiu que sua filha de três anos não frequentará a escola pública quando chegar a hora.
“Estou muito preocupado porque tenho primos que as mães deles e eles me dizem que estão voltando para casa falando sobre armas na escola,” disse Daniel à CBN News. “E eles também estão falando sobre — crianças pequenas falando — eles querem fazer coisas com as armas que são muito impróprias. E isso me incomoda porque não quero que meus filhos façam parte disso.”
Para os pais que não sabem se podem estudar em casa, Jim Mason, da Associação de Defesa Legal da Educação Escolar em Casa, diz que esse método de ensino se tornou mais acessível.
“A educação escolar em casa hoje está disponível de uma maneira que não era há anos, mesmo para pessoas que não são capazes de fazer isso por conta própria,” explicou Mason. “Por exemplo, os avós aposentados podem educar seus filhos em casa. Há muitas opções on-line. Ajudamos muitas pessoas que trabalham em tempo integral, mas, mesmo assim, educam seus filhos em casa.”
Cristina Truaz ensina seus quatro filhos em casa porque ela diz que sua principal prioridade é protegê-los fisicamente e espiritualmente.
“Sou grata por podermos ficar em casa e eles estão seguros sob meus cuidados. Minha escola está sempre armada e eu aprecio isso,” disse ela.
“Sou grato que eu sou capaz de ter uma boa vigilância neles e que não é apenas sobre a sua segurança física, mas a sua segurança espiritual. Sou capaz de guardar o que está acontecendo dentro de suas mentes e em seus corações,” diz Truaz. disse.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês da CBN (Rede de Televisão Cristã dos EUA): The Homeschool Solution: This Is the Tragic Reason Why More Families Are Staying Home
Leitura recomendada:

17 maio, 2018

Quatro maneiras pelas quais a pornografia pode destruir seu filho


Quatro maneiras pelas quais a pornografia pode destruir seu filho

Luke Gibbons
O aumento no uso de pornografia e vício entre adultos é uma preocupação crescente em todo o mundo. Infelizmente, é muito pior para as crianças de hoje que estão crescendo em um mundo totalmente conectado. A pornografia está devastando toda uma geração de jovens.
De acordo com a fundadora da ChildLine, Dame Esther Rantzen, “Os jovens estão se voltando para a internet para aprender sobre sexo e relacionamentos. Nós sabemos que eles estão freqüentemente se deparando com pornografia, muitas vezes sem intenção, e eles estão nos dizendo muito claramente que isso está tendo um efeito danoso e perturbador neles.”

Quão ruim é o problema?

Muitos estudos relatam que a idade média da primeira exposição de uma criança à pornografia é de 11 anos. Mas a pesquisa da empresa de tecnologia de segurança Bitdefender afirma que crianças com menos de 10 anos de idade compõem agora 22% das visualizações de pornografia online para jovens menores de 18 anos. O grupo com menos de 10 anos agora representa 1 em cada 10 visitantes de sites de vídeos pornográficos.
Como explicou o assistente social clínico autorizado Donald P. Huerta: “Muitas crianças que tenho atendido em meu consultório particular que estão sofrendo com o vício da pornografia foram inicialmente expostas a ele por meio de um amigo, de roupas íntimas ou de banho em jornais, em um anúncio que apareceu de repente enquanto pesquisavam na internet ou por um clique acidental na internet enquanto faziam o dever de casa. Após verem sem intenção e subsequentemente lutarem com sentimentos de culpa e vergonha, eles secretamente continuaram procurando as fotos ou filmes que continham imagens similares e se tornaram mais intencionais em suas buscas por isto.”
Mais de um quarto (26%) dos adolescentes de 13 a 17 anos admitem ter visto pornografia pelo menos uma vez por semana. E se você acha que o problema não existe dentro da igreja, 70% dos pastores de jovens cristãos dizem ter atendido pelo menos um adolescente nos últimos 12 meses para ajudar a lidar com a pornografia.
“Nunca antes, na história da mídia de telecomunicações nos Estados Unidos, tanto material indecente e obsceno foi tão facilmente acessível para tantos menores em tantos lares americanos com tão poucas restrições.” — Ministério da Justiça dos EUA.
Os dados do Google Analytics mostram que as buscas relacionadas à pornografia aumentam em 4.700% quando as crianças estão fora da escola.
Em vista de estatísticas tão inacreditáveis, como a pornografia prejudica as crianças?

1. Ver pornografia afeta suas atitudes e valores.

Considere como é fácil para os anunciantes influenciar nosso comportamento para comprar um produto com apenas um pequeno comercial de televisão. Da mesma forma, ver muito brevemente pornografia pode influenciar as atitudes de uma criança sobre sexo, mulheres e outros valores.
A American Bar Association (Ordem dos Advogados dos EUA) relata: “O uso excessivo de mídia, especialmente quando o conteúdo é violento, estereotipado por gênero e/ou sexualmente explícito, distorce a visão de mundo das crianças, aumenta comportamentos de alto risco e altera sua capacidade de relacionamentos humanos bem-sucedidos e prolongados.”
Gail Dines, presidente da entidade Culture Reframed, disse: “Se você está socializando toda uma geração em sexo pornográfico, que é o que estamos fazendo porque a pornografia é a principal forma de educação sexual hoje, então que tipos de pais, parceiros, advogados, juízes, policiais eles serão quando tiveram sua capacidade de intimidade, conexões e relacionamentos sequestrados pela cultura pornográfica?”

2. A pornografia interfere em seu desenvolvimento e auto-identidade.

Existe uma relação significativa entre adolescentes que usam pornografia com frequência e sentimentos de solidão e depressão grave. Eles também têm níveis mais baixos de autoestima.
A pornografia altera o processo normal de desenvolvimento da personalidade de uma criança em relação à sua sexualidade, corpo e compreensão de si.
 “Durante certos períodos críticos da infância, o cérebro de uma criança está sendo programado para orientação sexual,” relata o ProtectKids. “Durante esse período, a mente parece estar desenvolvendo um ‘hardwire’ para o que a pessoa terá como causa de sua excitação e alvo de sua atração. A exposição a normas e atitudes sexuais saudáveis durante esse período crítico pode resultar na criança desenvolvendo uma orientação sexual saudável. Em contraste, se houver exposição à pornografia durante esse período, o desvio sexual pode se tornar impresso no ‘disco rígido’ da criança e se tornar uma parte permanente de sua orientação sexual.”
As crianças aprendem uma quantidade considerável imitando o que elas veem as outras pessoas fazerem.
Temos neurônios-espelhos em nosso cérebro que nos ajudam a aprender. Quando aprendemos a amarrar nossos cadarços de sapatos observando outra pessoa, isso são esses neurônios-espelho em ação.
O Dr. William Struthers, que é um neurocientista que escreveu “Wired for Intimacy; How Pornography Hijacks the Male Brain” (Programado para a Intimidade; Como a pornografia sequestra o cérebro masculino), diz: “Esses neurônios-espelhos estão envolvidos quando alguém vê a pornografia porque o que ele vê, ele experimenta e aprende de forma indireta.”
Ao ver a pornografia, o cérebro da criança está sendo programado para o que está vendo, o que forma sua compreensão do sexo e da intimidade.

3. As crianças não são emocional ou fisicamente capazes de lidar com a pornografia.

Quando as crianças veem pessoas desconhecidas em atos sexuais, torna-se uma experiência esmagadora e assustadora que elas não conseguem compreender.
Segundo a Associação de Psicologia Natural, “A pornografia, assim como a exposição a insinuações sexuais, em filmes para pré-adolescentes, pode despertar emoções de preocupação e confusão. Na maioria das vezes, as crianças não têm ninguém, com a exceção de colegas confusos, com quem discutir o que viram.”
“A pornografia, como algo que crianças e adolescentes não entendem necessariamente, torna-se irresistível e confusa para a maioria das crianças e adolescentes. Isso pode ser difícil para pais ou professores decifrarem, como comportamento de oposição, preocupação com sexo e incapacidade de se concentrar.
“A exposição ou exposição excessiva também pode levar a alguns sintomas associados a depressão e TDAH, sintomas associados ao transtorno bipolar ou ideação suicida.”
Segundo o Dr. Ted Roberts, apresentador da série Conquer, o córtex pré-frontal do cérebro é onde o raciocínio, a tomada de decisões e o julgamento ocorrem e não são totalmente formados até os 25 anos. Isso significa que crianças estão sendo expostas à pornografia muito antes que elas possam compreender os perigos associados ou fazer julgamentos sobre o que estão vendo.

4. A pornografia pode fazer as crianças praticarem sexualmente o que viram.

Já que as crianças muitas vezes imitam o que viram, alguns estudos mostram que a pornografia pode levá-las a praticar sexualmente entre crianças menores e mais vulneráveis.
ProtectKids explica: “Mais de 66% dos homens e 40% das mulheres relataram que queriam testar alguns dos comportamentos sexuais que haviam visto. E entre os estudantes do ensino médio, 31% dos rapazes e 18% das moças admitiram ter feito algumas das coisas que eles tinham visto na pornografia depois dentro de alguns dias após a exposição.”
Os jovens também são mais propensos a se envolver em fotos ou mensagens de sexting em seus telefones celulares, o que pode deixá-los expostos ao cyberbullying.
Estudos também mostram que meninos expostos a uma grande quantidade de pornografia antes dos 14 anos tendem a ser mais sexualmente ativos quando adultos. Além disso, uma pesquisa recente revelou uma ligação entre a exposição à pornografia e a violência sexual.

O desafio é claro

A pornografia representa um grande ataque danoso aos jovens de hoje. Eles terão de lidar com os impactos negativos que a pornografia tem sobre eles na vida adulta, a menos que tomemos medidas agora para ajudá-los a evitar um vício de pornografia ao longo da vida.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês da revista Charisma: 4 Ways Porn Can Destroy Your Child
Leitura recomendada: